Alta do dólar e consequências do Coronavírus: a semana em 7 pontos, por Pablo Spyer

O Coronavírus segue impactando diretamente a economia global. No Brasil, dólar bate nova máxima devido a mercado internacional e ruídos na política nacional, chegando a R$4,40. Leia a análise de Pablo Spyer mostrando os 7 pontos que foram destaque na semana.

Alta do dólar e consequências do Coronavírus na economia a semana em 7 pontos, por Pablo Spyer

Olá Brasil! A semana foi marcada pelo Coronavírus e seus impactos na economia. Ela começou com feriado nos Estados Unidos e vencimentos de opções aqui no Brasil, ou seja, a briga dos comprados e dos vendidos aconteceu sem o volume americano. A ata do Fed, o Banco Central americano, também marcou o período.

O Coronavírus seguiu impactando o mercado global, especialmente depois que multinacionais como Apple e P&G anunciaram que não vão conseguir atingir a receita esperada por causa dos impactos da epidemia mundial e esfriamento do mercado.

No Brasil, a Bovespa vem sofrendo forte oscilação e encerra essa sexta-feira caindo cerca de 1%. Isso tem relação direta com a apreensão do mercado em relação aos desdobramentos do Coronavírus.

Mesmo com esse nervosismo no mercado, o mercado segue realizando IPOs na bolsa. Tivemos novos IPOs essa semana, como as construtoras Pacaembu e One, a Petz e a Almeida Junior.

Separei sete pontos-chave para ajudar a entender essa semana turbulenta para o mercado global. Vamos a eles:

  1. Coronavírus: a China injetou mais USD 43 bilhões de dólares para tentar diminuir ao máximo os impactos da epidemia na economia. Além disso, diminuiu os juros e cortou impostos de mais de 700 produtos com o mesmo objetivo. Moody’s e outras agências de risco diminuíram as projeções de crescimento da economia chinesa;
  2. Alerta de empresas: gigantes como Apple e P&G anunciaram ao longo da semana que o Coronavírus causará impactos significativos em sua produção e vendas, o que comprometerá a receita esperada; Isso teve impacto direto nas bolsas mundo a fora;
  3. PMI: tivemos a divulgação da Produção Industrial das Empresas (PMI), que mede a temperatura da economia de um país, nos estados Unidos e na Europa; Na Europa os dados vieram levemente positivos, nada que animasse o mercado. Já nos Estados Unidos, os dados vieram ruins, o que desanimou o mercado por lá;
  4. Balanços: a semana foi marcada pela divulgação de balanços de grandes empresas. Os bancos tiveram resultados 30% acima do mesmo período do ano passado. A Petrobras teve resultado recorde, com R$ 40 bilhões de lucro;
  5. Diminuição do Compulsório: o compulsório dos bancos diminuiu de 31% para 25%, ou seja, os bancos poderão emprestar mais e dar mais crédito para a economia;
  6. Máxima do Dólar: o dólar bateu novo valor nominal histórico, R$4,40. O Coronavírus e os desdobramentos na economia global tem relação direta com isso. Ruídos políticos também tiveram influência nisso;
  7. Petrobras: a agência Fitch deu nota de investimento para a Petrobras, aumentando duas notas em relação à anterior. É uma excelente notícia.

Esses foram os pontos de destaque da semana, meus amigos.

Bom fim de semana!