5 dicas para alugar um imóvel no exterior sem complicações

5 dicas para alugar um imóvel no exterior

Chegou a hora de mudar para outro país e você ainda não sabe onde vai morar? Neste artigo você descobrirá como alugar um imóvel no exterior sem ter dores de cabeça.

Se você pensa em morar em outro país, precisa lidar com as questões burocráticas. Uma delas é o aluguel de imóvel no exterior. Para muitas pessoas, esse momento pode ser difícil, mas com algumas dicas, é possível facilitar o processo e até chegar ao local com uma moradia fixa.

Nesse momento, você deve considerar as particularidades de cada país e sua condição como migrante. Ao abranger todos os detalhes, a chance de ter sucesso nessa empreitada é maior.

O que fazer? Neste post explicamos as principais dicas que ajudarão a alugar um imóvel no exterior sem complicações. Aproveite e veja o que fazer!

As vantagens de alugar um imóvel no exterior

Ao decidir mudar de país, é normal ter a dúvida sobre o que é melhor: comprar ou alugar uma residência. A resposta depende das suas condições e do que deseja ter.

De modo geral, o aluguel de imóveis no exterior é uma boa alternativa. Você tem conforto e segurança, sem investir uma grande quantia de dinheiro. Com o tempo, se gostar do local e tiver certeza, tem a chance de comprar sua casa ou apartamento.

Além desses, há vários benefícios no aluguel de imóvel no exterior. Entre os principais estão:

  1. privacidade: as casas em alguns locais, como nos Estados Unidos, exigem apenas senha para entrar. Em outros países, são utilizadas fechaduras, como no Brasil. De toda forma, há privacidade, porque só você vive naquele ambiente;
  2. comodidade: os imóveis podem ser mobiliados e ter todos os itens necessários para sua estada. Aqui, estão incluídos cozinha, quarto, banheiro etc., que têm, inclusive, televisão, internet e piscina;
  3. economia: o valor do aluguel permanece igual. Isso evita surpresas e você pode até se programar para morar com outras pessoas e reduzir ainda mais os custos.

Por sua vez, o procedimento de compra é interessante, mas mais demorado. Devido a toda burocracia, você pode começar com o aluguel e depois partir para a aquisição ou ficar apenas na primeira etapa.

5 dicas para alugar o imóvel no exterior

A mudança para outro país é positiva. Seguir para outros ares, ter novas experiências, conhecer uma cultura diferente sempre agrega valor. Além disso, com o tempo você tem a chance de adquirir fluência no idioma local e aprender mais.

Apesar de todas essas vantagens, existem cuidados a serem tomados. A burocracia pode ser grande e existem muitos detalhes a analisar. Com as dicas a seguir e a internet, você terá mais chances de sucesso. Confira!

Alugar um imóvel em países como Estados Unidos ou Canadá não é tão complicado quanto parece.
Alugar um imóvel em países como Estados Unidos ou Canadá não é tão complicado quanto parece.

1. Saiba como alugar o imóvel de forma remota

A Internet é uma aliada de quem quer alugar seu imóvel no exterior sem preocupações. Há vários sites que facilitam o processo e ainda mostram como é o imóvel, quais são suas características, qual é sua localidade etc.

Com essas informações, você sabe se suas necessidades serão atendidas ou se é necessário pesquisar um pouco mais. A vantagem é que são colocados novos anúncios todos os dias. Por isso, vale a pena conferir algumas opções de sites:

1.1. Estados Unidos

Um dos mais abrangentes é o Craigslist. Ele atende também Canadá, Europa, Ásia, Oceania, América Latina e África. Ao acessar a página inicial, você escolhe o país e a cidade em que deseja encontrar seu imóvel. Depois clica em “housing” e a página de anúncios se abrirá e apresentará as alternativas.

O Trulia é bem intuitivo e até mais acessível, sem contar que tem várias opções de casas e apartamentos. Uma de suas vantagens é mostrar o nível de segurança da região em que o imóvel está localizado. Atende todos os Estados Unidos.

Ainda existe o HotPads. Ele funciona de maneira similar aos outros e mostra quais são os lugares mais populares. O melhor é que, se você não encontrar o lugar que deseja, pode cadastrar seu interesse e esperar as sugestões feitas com base no registro.

O Zillow é um aplicativo bastante simples, mas traz boas ofertas. Vale a pena ficar de olho e conferir as novidades. Dentro da mesma categoria está o Apartments.com. Em alguns casos, eles têm imóveis exclusivos — e aquele que você deseja pode estar ali.

Por último, confira o AirBnB. Muita gente encontra opções de aluguel. Elas costumam ser mais caras, mas pode ser aquilo que você procura.

1.2. Canadá

O Realtor trabalha com corretores e permite filtrar os imóveis por preço, número de quartos, bairro e mais. Por oferecer contato com profissionais, você começa a receber mais ofertas diretamente por eles.

O Condos.ca é semelhante, mas tem um foco maior em apartamentos. O resto funciona da mesma maneira que o anterior.

Se você busca algo diferente, aposte no Viewit. Ele apresenta casas, apartamentos e porões (basements). Algumas ofertas são apresentadas por corretores e outras pelo proprietário. A desvantagem é a impossibilidade de filtrar por preço, região e itens inclusos.

O Padmapper tem como principal benefício agregar vários sites em um só. Com isso, você verifica imóveis disponíveis no Craigslist e no AirBnB, por exemplo. Além disso, é fácil de usar e parecido com o Google Maps.

Por último, o Bunz Home Zone é um grupo no Facebook, mas tem várias ofertas de imóveis. Os proprietários divulgam as opções ali e você encontra a alternativa mais viável. O ponto negativo é a chance maior de golpes.

É possível realizar as transações para alugar um imóvel no exterior de maneira remota.
É possível realizar as transações para alugar um imóvel no exterior de maneira remota.

1.3. Japão

A associação de administração de imóveis do país tem um site que reúne várias opções. É o Welcome Chintai, mas ele está todo em japonês.

As grandes redes imobiliárias também têm sites, normalmente, adaptáveis para outros idiomas. É o caso do Leopalace 21, que tem conteúdo até em português.

Se você quer ficar na região metropolitana de Tóquio, o Sharehouse é uma alternativa em inglês para encontrar o seu imóvel. Nesse caso, você compartilha a casa para economizar.

1.4. Austrália

Os dois melhores sites são o Domain e o RealEstate. Eles funcionam de maneira parecida: você coloca a localização em que deseja morar e recebe as indicações. A vantagem do segundo é encontrar casas compartilhadas para economizar.

2. Cuidado com possíveis golpes

O aluguel de imóveis no exterior, especialmente se feito a distância, aumenta as chances de você cair em um golpe. Mesmo nos sites anunciados há riscos, ainda mais quando o anúncio é feito pelo proprietário.

Por isso, sempre atente ao contrato e nunca pague antes de receber as chaves do imóvel. Cuide ainda com preços muito acima ou abaixo do normal para a região. 

Por fim, tenha cuidado com pessoas que dizem estar fora da cidade, com parente doente etc. É comum contarem essa história para evitarem um encontro pessoalmente, fazerem você pagar as taxas e perder o dinheiro.

3. Confira a documentação exigida em cada país

O contrato de aluguel só será firmado depois de você entregar toda a documentação e ter a aprovação. Cada país tem exigências diferentes. Entenda o que é solicitado em alguns dos principais.

3.1. Estados Unidos

O locatário precisa apresentar comprovação de crédito no país e atestado de legalidade. Isso pode ser feito pelo Tax ID, passaporte ou Cartão de Segurança Social (SSN). Em alguns casos, o extrato bancário e os depósitos prévios também servem.

Se você tiver recém-chegado aos Estados Unidos, tenha uma carta da empresa em que trabalhará. Isso tende a facilitar o processo de aluguel. Caso estude em uma universidade que, você pode fazer um contrato com esse documento e até adicionar cônjuge ou familiar.

3.2. Canadá

O Canadá tende a exigir algumas coisas a mais. Você precisa ter uma conta aberta em um banco do país e apresentar extrato bancário ou comprovante de renda, cópia de passaporte e visto de permanência.

Se você for estudar, é necessário demonstrar uma carta da universidade. É possível ter que apresentar uma referência para garantir a documentação. Em alguns casos, é exigido um documento do último proprietário do local em que morou.

3.3. Japão

No Japão, é preciso apresentar o cartão de permanência e passaporte. Aqui, existem diferenças entre vistos. O de turista não é aceito para fechar contratos e o Visa é de longa permanência. Ainda é preciso ter uma conta em um banco do país. Apesar de não ser obrigatório, é uma facilidade.

O corretor pode exigir a apresentação da conta do empregador e o certificado de elegibilidade. Esses documentos já são requeridos pelo Visa e devem ser complementados com cópia do holerite, fiador e contato de emergência.

3.4. Austrália

O contrato só é fechado com a apresentação de vários documentos, como passaporte, holerite, seguro saúde, comprovante de conta-corrente, visto e carta de referência. Se você não tiver histórico de crédito, pode ser exigido o pagamento equivalente a seis meses adiantados para evitar um calote.

O interessante é a existência de um critério de pontuação para conseguir alugar um imóvel. Cada documento vale determinado número de pontos. Os principais são: Documento Australiano, comprovantes de emprego e de renda, passaporte, contas de luz ou gás australianas, carta de recomendação do apartamento anterior.

Quanto maior for sua pontuação, maior é a chance. Ainda assim, não existe garantia de que você conseguirá, porque ainda há a quantidade de aplicações. Por isso, às vezes é mais fácil conseguir um apartamento mais caro, que tem menos demanda.

Assim que conseguir o local para morar, você deve assinar o lease. Ele é o documento de locação com validade de 12 meses. Define as regras entre locador e locatário e determina todos os detalhes, como período, duração da estada, valores, partes envolvidas etc.

Cada país requer documentos específicos para permitir o aluguel de imóveis por estrangeiros.
Cada país requer documentos específicos para permitir o aluguel de imóveis por estrangeiros.

4. Saiba quais serão os gastos

Os contratos exigem o pagamento do aluguel de algumas outras taxas. Também existem diferenças conforme o país em que você vai morar. Entenda como funciona.

4.1. Estados Unidos

A exigência é pagar quatro aluguéis adiantados, sendo um referente ao primeiro mês, um relativo ao último, um para caução e outro para taxa imobiliária. Assim, se a locação for de 1.200 dólares, você vai desembolsar 4.800 dólares.

Essa exigência costuma ser solicitada para imigrantes, que não têm histórico de crédito formado. Se você for transferido de uma empresa, será mais fácil. Além disso, mantenha os aluguéis em dia para evitar o risco de despejo.

4.2. Canadá

Ao ter a aprovação, é preciso desembolsar um depósito de segurança, o caução. Ele equivale ao total do aluguel ou a, pelo menos, 50% dele. Depois disso, o contrato é assinado pelo prazo mínimo de seis meses, mas, geralmente, é de um ano.

4.3. Japão

O contrato só deve ser assinado depois de conferir o reikin e o shikkin. O primeiro é o pagamento-chave, ou seja, um dinheiro equivalente a 1 ou 2 meses de aluguel. No entanto, não cobre esse período. Ele é obrigatório, mas ofertado como um “presente”.

shikkin, por sua vez, é um depósito comum em contratos de locação. Também corresponde a 1 ou 2 meses de aluguel e deve ser pago de forma antecipada. Caso não existam problemas ou danos à moradia durante a estada, ele é devolvido ao final do contrato. Assim, você terá que desembolsar entre 5 e 6 meses de aluguel antes da mudança.

4.4. Austrália

O locatário precisa pagar o bond, isso é, um cheque caução. Essa exigência é feita, porque não existe fiador na Austrália. Caso você saia do local e a vistoria constate dano zero, o valor é devolvido. De toda forma, é bom ficar atento para evitar problemas nesse momento.

bond equivale a 4 semanas de aluguel, se o apartamento for vazio, ou 6 semanas, caso seja mobiliado. Assim, se o valor for de 400 dólares australianos, terá que desembolsar entre 1.600 e 2.400 dólares australianos.

5. Veja o preço dos aluguéis

Um dos fatores principais ao alugar um imóvel no exterior é saber quanto você vai pagar por mês. O problema é que isso varia muito conforme o país e a cidade. Por isso, é possível apenas ter uma ideia para se preparar financeiramente.

Aqui, vamos listar algumas opções nos quatro países que trazemos ao longo do post. Acompanhe!

5.1. Estados Unidos

As opções de aluguel nos Estados variam muito. Em Nova York, por exemplo, um dos custos mais baixos está no Harlem. Um estúdio mobiliado com geladeira e fogão cobra 1.250 dólares por mês. Para outros apartamentos fora do centro, a média é de 1.820,46 dólares por mês.

Em Los Angeles é mais barato. Um apartamento de um quatro e bem localizado no bairro de Park Mesa Heights custa 1.357 dólares por mês. Fora das áreas centrais, a média é de 1.379,53 para imóveis com essa característica.

Já na Filadélfia, os aluguéis fora do centro custam 999,42 dólares. Apesar disso, você encontra até estúdios com geladeira e fogão por 450 dólares por mês no bairro de West Kensington.

Chicago é uma cidade mais cara. A média para apartamentos de um quarto é de 1.075,73 dólares. Se você quiser morar mais longe, em Greater Grand Crossing, consegue um apartamento com fogão, geladeira e outros equipamentos por 550 dólares. Por outro lado, nesse local há mais violência.

Houston e Phoenix são mais baratas. Fora do centro, você consegue um apartamento de um quarto na cidade do Texas por 910,56 dólares. Em Willow Meadows, chega a 635 dólares por mês.

No Arizona, você paga aproximadamente 722,99 dólares fora do centro. No bairro de Alhambra, economiza bastante. O valor chega a 475 dólares por mês.

Os valores dos aluguéis no exterior variam conforme a localização e o tamanho do imóvel.
Os valores dos aluguéis no exterior variam conforme a localização e o tamanho do imóvel.

5.2. Canadá

O valor do aluguel pode ser salgado em algumas cidades, mas também é possível economizar. Em Calgary, a média é de 1.040,96 dólares canadenses, mas você encontra apartamentos no Crescent Heights por 690 dólares canadenses — e mora a 10 minutos a pé do centro. Os imóveis, geralmente, são mobiliados.

Em Toronto, a média é mais cara: 1.155,39 dólares canadenses. Na região de Transcona, você consegue um apartamento por 900 dólares canadenses, com vários comércios, supermercados e shoppings. A vantagem é a inclusão de despesas com água e aquecimento nesse valor.

Montreal é a cidade com a média mais barata. O valor é de 668,55 dólares canadenses, mas é possível conseguir por 600 dólares canadenses já com geladeira, fogão, cozinha equipada e próximo a supermercados, restaurantes e transporte público.

Vancouver é uma das cidades mais caras. O valor médio é de 1.196,18 dólares canadenses. Em Maple Ridge, você consegue por 850 dólares canadenses sem mobília, mas com geladeira, fogão, exaustor e micro-ondas.

Em Ottawa, a média é de 899,94 dólares canadenses, mas um estúdio pode ser encontrado por 600 dólares canadenses na região de University Ave.

5.3. Japão

O Japão é um dos países mais caros para morar. Apesar dos salários serem maiores, a tendência é que a locação pese no orçamento em todas as cidades. Para ter uma ideia, um apartamento pequeno fica entre 35.000 e 50.000 ienes. Para famílias de 3 a 5 pessoas, o valor chega a 70.000 ienes.

Leo Palace é uma boa alternativa para quem pretende economizar. Você aluga uma kitnet com todas as despesas incluídas e paga entre 60.000 e 70.000 ienes.

5.4. Austrália

Um apartamento em Sidney para um casal fica entre 400 e 600 dólares australianos. Caso opte por dividir com mais pessoas, terá que desembolsar entre 300 e 350 dólares australianos. A diferença é que, no primeiro caso, não estão incluídas outras contas e no segundo, estão.

Se for alugar o imóvel no exterior sozinho, o valor fica entre 150 e 200 dólares australianos para dividir o quarto com outra pessoa e entre 300 e 350 dólares australianos para ter o seu. Nesses casos, estão incluídas outras contas.

Se ainda tiver dúvida, fique em mente com o valor de 250 a 500 dólares australianos por semana para um apartamento de 1 quarto. Essa é uma boa média para todas as cidades.

Para pagar essas quantias, você deve usar um serviço de transferência internacional, como o da Remessa Online. Assim, você garante a segurança da operação e tem o dinheiro em mãos com rapidez para evitar imprevistos.

Agora você já está preparado para alugar seu imóvel no exterior de forma descomplicada, certo? Então, é só começar a procurar e fechar o seu negócio. Depois, chegou a hora de aproveitar a experiência!

Aproveite para ter ainda mais tranquilidade conhecendo mais sobre a Remessa Online. Acesse nosso site, conheça as características e como o serviço funciona. Você verá que é muito fácil enviar e receber dinheiro de outros países.

Resumindo

Quais países têm os imóveis mais baratos?

O valor para se alugar um imóvel no exterior depende do local e da região em que você deseja morar. Normalmente, o Japão é um dos países mais caros. Já a Austrália tende a ter um aluguel mais barato, mas tem uma burocracia maior.

Alugar é um bom investimento?

Sim, é melhor alugar antes de ter certeza se deseja adquirir o imóvel. Além de você tomar sua decisão de forma mais consciente, tem uma experiência melhor e define o lugar mais adequado com cuidado.

Onde encontrar imóveis para alugar?

Existem vários sites que ajudam nesse propósito, inclusive para fechar o contrato a distância. Apesar disso, tenha cuidado para não cair em golpes.