Desaceleração do PIB global pode elevar o dólar

por André Galhardo
3 minutos de leitura
Cortes de juros nos Estados Unidos e a sinalização de que acontecerá o mesmo no Brasil ajudam a pressionar uma alta do dólar

O Dólar americano fechou a terça-feira cotado a R$ 4,5148, após ter começado o dia em R$ 4,4760. O Euro fechou o dia em R$ 5,0459, após ter iniciado o pregão em  R$ 4,9858. A moeda americana abriu esta terça-feira cotada a R$ 4,5140 e o Euro abriu o dia cotado a R$ 5,0459.

Agenda de hoje

No exterior, além das declarações oficiais acerca da redução da taxa de juros global, o mercado espera pelos seguintes indicadores: PMIs de países da Zona do Euro e do Reino Unido, todos referentes ao mês de fevereiro e, nos Estados Unidos, a divulgação do livro bege, a geração de vagas de trabalho e índice ISM do setor de serviços.

No Brasil, o dado mais relevante será o PIB referente ao quarto trimestre de 2019, mas também serão divulgados: o fluxo cambial semanal, o índice de commodities do Banco Central e o PMI composto de fevereiro.

Perspectivas para o dia

Real x Dólar

Tal como os outros dois dias desta semana, a quarta-feira deve ser marcada por alta volatilidade. Esse comportamento errático do câmbio se dá em função dos problemas que envolvem a propagação do covid-19, e da consequência desta propagação nos assuntos políticos e econômicos em nível global. Os Bancos Centrais decidiram agir em conjunto para atenuar os efeitos dessa desaceleração da atividade econômica em potencial.

Ocorre que, a despeito de alguma euforia em função destes estímulos, eles mesmos indicam que a situação é um pouco mais grave que se imaginava. Em suma, teremos mais dinheiro no mercado, mas isso pode não se traduzir em investimentos e consumo se o clima de medo de uma nova crise global não se dissipar. Diante disso, e de novo crescimento da economia brasileira que mal supera o 1%, espera-se para esta quarta-feira nova desvalorização do Real frente ao dólar americano.

Real x Euro

Os dados antecedentes não apontam para um lugar comum, a dissonância dos dados divulgados e a ausência de mais indicadores que possam indicar um caminho deve fazer com que o câmbio BRL/EUR responda mais aos estímulos vindos do Brasil. Novo dia de desvalorização do Real.

Assuntos relacionados