Pablo Spyer: Bolsa europeia opera em intensa volatilidade

Tanto a bolsa europeia quanto a americana abrem essa quinta-feita em intensa volatilidade. Na Europa, nem o anúncio de um pacote de USD 820 bilhões foi o suficiente para animar o mercado. No Brasil, Banco Central corta juros e congresso aprova estado de calamidade.

Tanto a bolsa europeia quanto a americana abrem essa quinta-feita em intensa volatilidade.

Bom dia Brasil! Hoje o pregão sugere bastante volatilidade nas bolsas.

A bolsa europeia está no zero a zero mesmo depois de o Banco Europeu ter anunciado um pacote de USD 820 bilhões para combater os efeitos do Coronavírus.

A bolsa europeia agora está no zero a zero, mas já esteve em alta e em baixa, tamanha a volatilidade. Nos Estados Unidos também há muita oscilação hoje, sendo que agora a bolsa cai 2%.

A boa notícia vem do petróleo, que está disparando 15% depois de um mergulho de 24% ontem. O pacote da Europa ajudou o petróleo. Isso somado a atitude do Iraque que pediu à Opep que tomasse providências para evitar que o preço do petróleo entre em colapso.

Novidade: os pregões das bolsas americanas estão fechados para evitar o contágio.

Já não restam dúvidas que o Coronavírus trará recessão mundial. O Goldman Sachs enxerga que a economia vai encolher 1,25% e o JP Morgan acredita que a economia americana vai encolher até 14%.

A Bovespa ontem teve seu sexto circuit breaker em 8 dias, que dureza! Bom, hoje é dia de digerir a decisão do Banco Central que cortou juros em mais 50 bps (pontos base). Foi para 3.75%, o menor nível da história.

Ontem na câmara foi aprovado o decreto de calamidade pública. Ele permite mais gastos públicos.

Eu sou o Pablo, bons negócios! Força touro!

Acompanhe a cotação do dólar e das principais moedas mundiais em tempo real!

Pablo Spyer é diretor da Mirae Asset CCTVM e conselheiro da Ancord.