Alta do dólar, Coronavírus e Copom: a semana em 10 pontos, por Pablo Spyer

Semana foi marcada por consecutivas máximas na cotação do dólar. Coronavírus ainda domina os noticiários e mercado está em alerta. Nos estados Unidos, eleições são o foco do mercado. Veja um resumo do que aconteceu na semana nesta análise de Pablo Spyer.

Alta do dólar, Coronavírus e Copom a semana em 10 pontos, por Pablo Spyer

A semana foi marcada pela volatilidade de cenários e o protagonismo do Coronavírus. Eu prefiro ser otimista. Sabe por que? Porque o juros caiu e está baixo, as reformas estão andando, o ritmo do PIB segue consolidado e o aumento do crédito interno é uma realidade.

Nos Estados Unidos, os dados do emprego vieram em alta e refletiram ao longo da semana. O consumo americano também está forte.

Outra coisa que merece destaque é que o risco-país segue em ritmo de queda, está em 94. Já a bolsa está oscilando há cerca de três semanas. O juros baixo trouxe mais de 1 milhão de pessoas para a bolsa desde o ano passado.

Vamos aos 10 pontos que foram destaque ao longo da semana:

  1. Coronavírus: o vírus foi o maior destaque ao longo da semana e trouxe muito nervosismo ao mercado. O método de contagem de infectados mudou na China, o que fez o número de infectados e mortos disparar;
  2. Dólar: o dólar foi um grande destaque ao longo da semana, batendo 4 máximas consecutivas e chegando a R$4,38. O Banco Central interveio e fez dois leilões para tentar amenizar a situação;
  3. Copom: a ata do Copom não deixou claro o próximos passos, o que ajudou a elevar o nervosismo e explica, em partes, a disparada do dólar;
  4. Retomada econômica: os dados da atividade econômica frustraram e os dados de varejo decepcionaram;
  5. Investimento estrangeiro: o investidor estrangeiro estava saindo em massa do Brasil, mas fevereiro mostra que ele parou de sair;
  6. Fed: Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, se disse otimista e disse que vai continuar com a injeção de capitais;
  7. Europa: Alemanha e Portugal vivem boa semana no mercado e continente está a espera de estímulos do Banco Central europeu;
  8. Eleições americanas: tudo indica que Trump será reeleito;
  9. Reforma administrativa: governo quer enviar uma proposta própria para discutir a reforma;
  10. Bolsa: há uma discussão sobre se a bolsa está ou não está cara.

Esses foram os pontos altos da semana, marcada pelo dólar e pelas notícias relacionadas ao Coronavírus.

Bom fim de semana!

Pablo Spyer é diretor da Mirae Asset CCTVM e conselheiro da Ancord.

Acompanhe a cotação do dólar e das principais moedas mundiais em tempo real!