Eleições americanas: entenda como funciona e porque Trump sugere fraude

por Remessa Online
3 minutos de leitura

Mais quatro anos de Donald Trump na Casa Branca ou o início de uma nova era com Joe Biden assumindo a presidência dos Estados Unidos? Estamos na reta final para descobrir a resposta que os eleitores no país deram para essa pergunta.

No entanto, caso Biden seja o candidato eleito, ao que tudo indica, a disputa será contestada nos tribunais por Trump. Isso porque, o atual presidente vem afirmando que, em caso de um cenário desfavorável a ele, haveria fraude nas eleições da potência mundial.

Dólar abriu o dia cotado a R$ 5,7550; o Euro, a R$ 6,7707

Como funcionam as eleições americanas?

Diferente do Brasil, onde vamos às urnas e escolhemos, de forma direta, um nome para governar o país, nos EUA os eleitores votam em seus candidatos preferidos, mas, na prática, elegem delegados.

É complexo, mas a gente explica:

  • Primeiro, ocorre uma eleição em cada um dos cinquenta estados (mais o Distrito de Columbia, que corresponde ao nosso Distrito Federal), em que os eleitores votam em seus candidatos para ocupar a Casa Branca.
  • Após as eleições estaduais, no entanto, em vez de somarem a votação de cada unidade para encontrarem o vencedor em todo o país, cada estado calcula seus votos separadamente.
  • Após o cálculo por estado, já no colégio eleitoral, os delegados têm, obrigatoriamente, que votar no candidato que recebeu mais votos naquela unidade federativa.
  • Por fim, é a soma dos votos de cada estado no colégio eleitoral que determina o vencedor da corrida eleitoral americana.

Essa é a regra, mas existem exceções: nos estados de Maine e Nebraska

  • Nestes dois estados, a votação é conduzida distrito a distrito.
  • Ou seja, vai um delegado para o vencedor de cada distrito.
  • De bônus, um voto é atribuído para quem ganhou a eleição no estado inteiro.

Além dessas exceções, ainda que sem expressão histórica, há casos isolados de delegados que se recusam a votar conforme o eleitorado do seu estado no colégio eleitoral.

Como é definido o número de delegados por estado?

Nos EUA, o colégio eleitoral é composto por 538 delegados. Para um candidato se consolidar vitorioso, é necessário que ele obtenha maioria absoluta. Ou seja, pelo menos 270 votos dos delegados.

A definição de delegados por estado é mais simples

  • O número de assentos no Congresso americano (Câmara dos Deputados e Senado) define o número de delegados que cada estado tem direito.
  • Dessa forma, um estado que possui 40 assentos na Câmara e 3 no Senado, conta com 43 delegados no colégio eleitoral.

Apesar de mais simples, também conta com exceção: o Distrito de Columbia, que não tem representação no Congresso, tem direito a três delegados.

E porque Trump sugere fraude?

donald trump 1024x576 - Eleições americanas: entenda como funciona e porque Trump sugere fraude
Atual Presidente americano, Donald Trump

Antes de responder a essa pergunta, precisamos relembrar alguns detalhes referentes às eleições. Uma das grandes diferenças em relação às eleições no Brasil é o fato de cada estado ter sua própria legislação. Vários deles permitem que os eleitores votem antecipadamente.

Como ocorre essa votação antecipada?

  • Alguns estados mantêm as seções eleitorais abertas por até um mês antes do dia final da eleição.
  • Outros tantos também permitem que o eleitor receba a cédula eleitoral em casa e a envie preenchida para o governo por correio.

Com o advento da pandemia, observamos um movimento mais intenso de pessoas que optaram por comparecer antecipadamente às seções, para evitar filas, ou mesmo enviar seus votos por correio.

E é nos votos por correio que se baseia a possível contestação nos tribunais por parte do candidato republicano. Donald Trump vem alegando que o sistema é inseguro e vulnerável a fraudes. Já Biden, ao longo do período eleitoral, incentivou a modalidade em diversas oportunidades, sobretudo em estados mais disputados.

Assuntos relacionados