Giro de Notícias #21: confira o que pode impactar o mercado

por Gustavo Esteves
3 minutos de leitura

Fique por dentro das notícias que repercutiram e podem influenciar o mercado nos próximos dias:

  • 1. Presidente Jair Bolsonaro sanciona projeto de lei que institui o marco legal das startups;
  • 2. Na última semana, Dólar se aproximou de R$ 5 e fechou na mínima durante o período de 1 ano;
  • 3. Dança das criptomoedas: após novo tuíte enigmático de Elon Musk, Bitcoin despenca novamente e outra cripto dispara;
  • 4. G7 fecha “acordo histórico” para tributar multinacionais;
  • 5. Brasil registra 37 mil novos casos de Covid-19 e mais 1.454 mortes resultantes da doença em 24 horas.

1. Presidente Jair Bolsonaro sanciona projeto de lei que institui o marco legal das startups

A sanção foi publicada no Diário Oficial da União na última quarta-feira (2) e tem como objetivo estimular a criação de empresas de inovação e criar uma regulação para elas.

Na nota, a Secretaria Geral da Presidência da República diz que a lei “simplifica a criação de empresas inovadoras, estimula o investimento em inovação, fomenta a pesquisa, promove o desenvolvimento e a inovação, e facilita a contratação de soluções inovadoras pelo Estado”.

Uma das grandes novidades da lei é a criação do “ambiente regulatório experimental”, que é um regime onde a empresa conseguirá lançar novos produtos e serviços experimentais com menos burocracia e mais flexibilidade.

Algumas obrigatoriedades da nova legislação:

  • • A receita bruta anual de uma startup deve ser de até R$ 16 milhões e a inscrição no CNPJ deve ter no máximo 10 anos;
  • • As startups podem receber investimentos de pessoas físicas ou jurídicas, que resultem ou não em participação no capital social da empresa, dependendo da modalidade escolhida pelas partes;
  • • O investidor anjo que realizar o aporte de dinheiro sem ingressar no capital social não será considerado sócio, nem terá direito a gerência ou voto na administração da empresa investida. Ele não responde por qualquer obrigação ou dívida da startup, mas é remunerado pelos aportes;
  • • As startups também podem receber recursos de empresas que possuem obrigações de investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação;
  • • A criação do “ambiente regulatório experimental”, chamado de sandbox regulatório. Com ele, a empresa pode lançar novos produtos e serviços experimentais com menos burocracia.

2. Na última semana, Dólar se aproximou de R$ 5 e fechou na mínima durante o período de 1 ano

O Dólar fechou na mínima, dentro do período de um ano, na última sexta-feira, quando engatou terceiro pregão de firme queda que levou a cotação à casa de 5,03 reais, isso gerou um certo otimismo para a economia brasileira.

Ao longo das últimas semanas, outros mercados também reagiram bem. O Ibovespa superou os 130 mil pontos e cravou novo recorde. Os juros futuros chegaram ao fim da sessão em queda de 10 pontos-base. Em Nova York, Wall Street teve um rali, com os índices muito perto de máximas históricas.

A farta injeção de dinheiro barato pelos Estados Unidos é a principal responsável pelo tombo de 12,6% do dólar globalmente desde o ápice do nervosismo inicial com a pandemia, em março de 2020.

Na semana, o Dólar no Brasil perdeu 3,41%, a segunda queda consecutiva mais intensa desde a semana finda em 7 de maio (-3,75%). Em junho, a moeda recua 3,61%, aprofundando a queda em 2021 para 2,98%.

3. Dança das criptomoedas: após novo tuíte enigmático de Elon Musk, Bitcoin despenca novamente e outra cripto dispara

O icônico CEO da Tesla tem tido uma relação de amor e ódio com o Bitcoin, mudando de opinião o tempo todo sobre a moeda digital.

Musk é bastante conhecido por ser um entusiasta das moedas digitais. Porém, desde o início deste ano, ele trava uma briga com o mercado ao dar sinais confusos em suas redes sociais. Ora elogiando, outrora criticando o ativo digital.

O fato é que a influência do CEO tem poder para mexer com o mercado. Na noite da última quinta-feira (3), ele publicou em seu Twitter um meme seguido de um emoji de coração partido e #bitcoin. O mercado interpretou isso como uma espécie de sinalização de Musk contra o Bitcoin, levando a moeda digital a cair até 7% no acumulado de 24 horas.

Enquanto o CEO da Tesla vai e volta com suas opiniões sobre o Bitcoin, ele tem mostrado bastante interesse em outra criptomoeda, a Dogecoin, que foi criada baseada em um meme. Ele chegou a dizer que estava trabalhando com programadores para trazer melhorias para a rede do ativo.

Porém, na última sexta, logo após tuitar sobre o Bitcoin, Musk publicou outra mensagem enigmática, colocando uma terceira moeda digital no radar dos investidores, a CumRocket. Após outra publicação no Twitter, fazendo referência à moeda digital, a cotação do ativo disparou 85%.

O grupo de hackers Anonymous, conhecido por seus crimes cibernéticos contra várias empresas e até governos de países, deixou um recado para o CEO da Tesla alegando “desprezo pelo trabalhador comum”:

“Enquanto pessoas trabalhadoras têm seus sonhos liquidados por causa de seus acessos de raiva públicos, você continua zombando delas com memes [enviados] de uma de suas mansões de milhões de dólares. Você [Elon Musk] pode pensar que é a pessoa mais esperta do mundo, mas agora você encontrou alguém à altura. Nós somos Anonymous! Nós somos Legião! Espere por nós”.

4. G7 fecha “acordo histórico” para tributar multinacionais

Em evento realizado no último sábado (5), as grande potências do G7 (Reino Unido, França, Itália, Canadá, Japão, Alemanha e Estados Unidos) decretaram a criação de um imposto global de, ao menos, 15% para as grandes empresas.

Segundo o ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, o documento é um “momento histórico” e é o anúncio de uma reforma tributária mundial, “mas adaptada à era digital”.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, destacou que a medida “é um compromisso sem precedentes que colocará fim à corrida para a diminuição na taxação de empresas, assegurando igualdade para os trabalhadores nos Estados Unidos e em todo o mundo”.

A decisão foi unânime e baseada em dois principais pilares:

  1. O primeiro pilar define os métodos de tributação dos lucros das empresas e de distribuição mais justa dessas receitas fiscais. O objetivo é que as multinacionais paguem impostos onde obtêm lucros e não apenas onde estão registradas (muitas vezes em paraísos fiscais).

    A aplicação da taxa única, especialmente nas chamadas “big techs”, as empresas de tecnologia mundiais, é alvo de discussões há anos e não são poucos os processos judiciais que discutem para onde os impostos devem ser pagos, com brigas que também invadem o campo político.

2. O segundo pilar prevê uma taxa mínima global de imposto sobre as empresas de pelo menos 15% a fim de criar regras comuns e evitar a concorrência fiscal excessiva

Além disso, o evento também serviu para as potências se comprometerem com as mudanças climáticas, a ajuda aos países pobres e a recuperação da pandemia do coronavírus.

5. Brasil registra 37 mil novos casos de Covid-19 e mais 1.454 mortes resultantes da doença em 24 horas

Dados divulgados na última sexta-feira (4) pelo Ministério da Saúde registraram 37.936 novos casos e mais 1.454 novas mortes em apenas 24 horas.

O balanço sistematiza as informações coletadas por secretarias estaduais de Saúde sobre casos de Covid-19 e mortes provocadas pela doença.

Em contrapartida, o número de pessoas que pegaram Covid-19 e se recuperaram desde o início da pandemia chegou a 15.239.692. Isso corresponde a 90,5% do total dos infectados pelo vírus.

Os 5 Estados com maior número de mortes por Covid-19:

São Paulo – 113.474
Rio de Janeiro – 51.419
Minas Gerais – 41.418
Rio Grande do Sul – 28.663
Paraná – 26.965

Os 5 Estados com menor número de mortes por Covid-19:

Roraima – 1.649
Acre – 1.682
Amapá – 1.716
Tocantins – 2.925
Alagoas – 4.820

Assuntos relacionados