Dólar testou limite abaixo de R$ 4 nesta quinta-feira

Rodrigo Maia sinaliza compromisso com a reforma administrativa, o que acalmou o câmbio. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dólar abre esta sexta-feira (25/10) cotado a R$ 4,0278. Na quinta-feira (24/10) o dólar chegou a ficar cotado abaixo do patamar de R$ 4.

No dia 24 de outubro o Dólar americano fechou cotado a R$ 4,0415 após ter aberto o pregão a R$ 4,0380. O destaque vai para a cotação intradiária que chegou a ficar abaixo dos R$ 4,00 pelo primeira vez em mais de dois meses.

O Euro fechou o dia cotado a R$ 4,4864 após ter aberto o pregão cotada a R$ 4,4910. Ambas as moedas reagiram bem às palavras de autoridades brasileiras em relação a continuação de reformas importantes e também ao movimento de valorização de empresas brasileiras listadas na bolsa de valores.

Agenda de hoje

No ambiente externo a agenda de indicadores econômicos segue bastante fraca a exemplo dos outros dias desta semana.Na Alemanha, foi divulgado o índice de clima de negócios que, apesar de ligeira melhora no mês de outubro, permanece em patamar sensivelmente baixo. Além disso, a Universidade de Michigan divulgará dados de confiança sobre a economia americana.

Em âmbito doméstico temos as sondagens do comércio e da indústria da construção, publicadas pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), além da nota de política monetária e creditícia, divulgada pelo Banco Central

Perspectivas para o dia

Real x Dólar

O Real continua a reboque das declarações de autoridades brasileiras acerca da continuação do ambiente de reformas empreendidas pelo governo Bolsonaro.

Após a aprovação da reforma da previdência, o mercado aguarda ansiosamente a aprovação das reformas administrativa e tributária. Segundo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a reforma administrativa terá a estatura da reforma da previdência.

Essa expectativa de mais novidades quanto às próximas reformas, aliado ao trabalho de venda no mercado à vista por parte do Banco Central devem empurrar o valor do dólar para baixo.

Real x Euro

A expectativa de mais mudanças importantes na economia brasileira também deve agir pela desvalorização do Euro em solo doméstico. As notícias econômicas vindas da Alemanha, França e do próprio Brexit já não são novidade há algum tempo, portanto, movimentos de valorização do Real frente ao Euro está muito mais condicionada à forma como a situação política e econômica brasileira se comportam.

André Galhardo é economista-chefe da Análise Econômica Consultoria, professor e coordenador universitário nos cursos de Ciências Econômicas. Mestre em Economia Política pela PUC-SP, possui ampla experiência em análise de conjuntura econômica nacional e internacional, com passagens pelo setor público.