Libra esterlina: recessão no horizonte

tendências para a libra esterlina

Três pontos se destacam nesta semana no cenário da Libra Esterlina. Em primeiro lugar, os dados britânicos alimentaram ainda mais a perspectiva de uma eventual recessão no horizonte de análise.

Felizmente, os dados acerca do desemprego, das vendas no varejo e o nível de preços garantiram um bom respiro para os britânicos nesta semana. Mas outros elementos alimentam as incertezas.

Em segundo lugar, ganha força a ideia de uma Brexit sem acordo. A preocupação com um Hard Brexit é tão grande que parlamentares que defendem o Remain (permanência) discutem um plano para impedir que o primeiro-ministro Boris Johnson tire o Reino Unido da UE sem acordo. Os próximos meses estão cheios de risco para o primeiro-ministro e para o Reino Unido.

Em terceiro lugar, em meio a tudo isso, a aliança entre o PM britânico e o presidente estadunidense se fortalece. Os EUA prometeram acordos comerciais rápidos com a Grã-Bretanha e apoiam saída sem acordo. “Estamos com você”, disse John Bolton, assessor da Casa Branca, após conhecer Boris Johnson.

Mas, obviamente, não sem alguma contrapartida. Os EUA pressionam o Premier Britânico para entrar em linha em questões como o acordo nuclear com o Irã e o envolvimento da Huawei na rede 5G, algo que a ex-PM Theresa May estava relutante.

Nesse contexto, a Libra abriu a semana cotada a R$ 4,7421, mas se recuperou e ganhou força em relação ao Real, alcançando o patamar de R$ 4,8261 na abertura do pregão de sexta-feira (16/8).

Veja o cenário cambial da semana.

André Galhardo é economista-chefe da Análise Econômica Consultoria, professor e coordenador universitário nos cursos de Ciências Econômicas. Mestre em Economia Política pela PUC-SP, possui ampla experiência em análise de conjuntura econômica nacional e internacional, com passagens pelo setor público.