Minuto Econômico: Bancos globais desafiaram ações contra lavagem de dinheiro

Divulgados por consórcio internacional, documentos revelam que grandes bancos globais mandaram recursos ilícitos para contas criminosas – entre eles, o HSBC. Confira o Minuto Econômico de hoje.

NO MINUTO ECONÔMICO DE HOJE

  1. Preocupações de um novo lockdown na Europa.
  2. HSBC, JPMorgan Chase, Standard Chartered Bank, Deutsche Bank e Bank of New York Mellon mandaram recursos ilícitos para contas criminosas.
  3. Eleição para o novo juiz da Suprema Corte nos EUA.
  4. Eleições americanas: Donald Trump está perdendo para Joe Biden – 53% a 43%.
  5. Petróleo em queda.

TRANSCRIÇÃO

Bom dia e boa semana, Brasil!

Tem notícia ruim para todo lado. 

  1. As preocupações de um novo lockdown desse coronavírus, de uma segunda onda voltar a fechar as economias da Europa, assusta os europeus e as Bolsas afundam mais de 3%
  2. Um consórcio internacional investigativo formado por mais de 400 jornalistas, de 88 países, 110 veículos – no Brasil, a Época, a Revista Piauí e o site 360, publicou documentos secretos americanos que revelam que grandes bancos globais desafiaram as ações contra lavagem de dinheiro. Mandaram recursos ilícitos para contas criminosas. São eles: HSBC, JPMorgan Chase, Standard Chartered Bank, Deutsche Bank e Bank of New York Mellon. No Brasil, nenhum banco foi envolvido. As ações do HSBC estão na mínima de 22 anos. 
  3. Nos EUA, tem uma briga para a eleição do novo juiz da Suprema Corte (o anterior faleceu na semana passada). Donald Trump quer botar o republicano, já Joe Biden, que está concorrendo à Casa Branca, um democrata. O cargo é vitalício. Quem colocar, fica forte.
  4. As eleições americanas vão escalar o tom das conversas nos Estados Unidos. Saiu uma pesquisa no World Street Journal e o Donald Trump está perdendo. Está 53% a 43%, para Joe Biden. Na semana que vem acontecerá um debate. Vamos  ver como será esse debate entre Donald Trump e Joe Biden. 

O petróleo também cai, com medo do novo lockdown que podem vir. 

Eu sou Pablo. Bons negócios.

Vai, Tourinho!