Resultado das eleições na Argentina e crise geopolítica marcam o início da semana

A definição das eleições na Argentina traz impactos diretos ao Brasi

Semana começa agitada em nível global e motivos são diversos: eleições na Argentina e definição de novo presidente, além da crise geopolítica no Chile e em outros países. No Brasil, expectativa pela ida do ministro da economia, Paulo Guedes, à câmara dos deputados para falar sobre o pacto federativo.

Bom dia Brasil e boa semana!

É semana de super quarta, corte de juros nos Estados Unidos e aqui. Fed e Copom está todo mundo cortando juros. Semana passada Rússia cortou, Coreia cortou, Turquia cortou.

Nos Estados Unidos, que teve máxima histórica semana passada, vamos ter novas máximas pelo jeito hoje. Olha lá, está bastante bom.

Aqui na agenda do dia vai ter payroll, na sexta-feira vai ter PIB nos Estados Unidos, é isso aí de importante. Vai ter inflação também.

O CDS, olha que interessante, ele rompeu o 120. Olha que legal, 119. Isso é muito importante para o Brasil, tá.

Aqui temos que ficar de olho, está tendo um terremoto geopolítico no mundo. Tá lá na CNBC: Hong Kong, Líbano, Chile, Iraque, tudo pancadaria.

Na Argentina deu Fernández, vamos ficar de olho nisso aí. É importante.

Leia mais sobre eleições na Argentina: Adiamento do Brexit, Peronistas no comando da Argentina e mais ansiedade

Aqui no Brasil vamos ter Paulo Guedes na câmara. Ele vai falar sobre o pacto federativo, isso é super importante. Depois da reforma da Previdência, o pacto federativo é o mais importante. Vai falar também sobre a regra de ouro.

Falando em ouro, temos que agradecer a quem? A semana passada foi de quem? Foi do touro de ouro. Muito obrigado por quatro altas, quatro máximas históricas. Traz mais tourinho, principalmente puxa sempre aquelas ações que pagam em dividendos, que são as que a gente tem e que não vai vender nunca tourinho.

Eu sou o Pablo, bons negócios!

Pablo Spyer é diretor da Mirae Asset CCTVM e conselheiro da Ancord.