Diversificação de investimentos: entenda a importância dessa prática

por Remessa Online
3 minutos de leitura
A diversificação de investimentos é a regra de ouro do mercado financeiro. Com ela, você diminui os riscos das aplicações e potencializa os ganhos.

A regra de ouro no mercado financeiro é a diversificação de investimentos. O motivo é simples — quando você aplica em diferentes ativos, têm mais chance de ter sucesso.

Essa indicação é válida para objetivos de curto e longo prazo. Ainda, existem várias formas de diversificar seus investimentos. Você conhece todas elas?

Se sua resposta é “não”, chegou ao local certo. Neste post, vamos explicar mais sobre esse conceito e como implementá-lo na sua rotina de investidor. Continue lendo!  

O que é a diversificação de investimentos?

A diversificação de investimentos é a estratégia de alocação do capital em diferentes tipos de ativos, tanto da renda fixa, quanto da variável. Ao adotá-la, ocorre a potencialização do rendimento com redução dos riscos.

Isso acontece porque o prejuízo de um investimento é compensado pelos ganhos de outro. Por isso, a diversificação é fundamental para ter uma carteira bem equilibrada.

Quais são as vantagens da diversificação de investimentos?

Ainda que seja a regra de ouro, é importante entender por que é relevante adotar essa estratégia. Veja alguns fatores que a justificam:

  1. Proteção ao patrimônio acumulado devido à redução dos riscos;
  2. Aumento dos lucros de forma sustentável, já que há potencialização do retorno;
  3. Possibilidade de arriscar mais, porque boa parte do patrimônio continua protegido.

Em outras palavras, tem mais chance de você investir em ativos arrojados e com alto potencial de prejuízos, mas que também oferecem elevada possibilidade de remuneração. Assim, você evita colocar seu capital em risco e ainda tem a capacidade de ganhar mais.

Como diversificar investimentos de forma bem-sucedida?

Para colocar essa estratégia em prática, é preciso avaliar as diferentes possibilidades de diversificação de investimentos. Quando esse assunto é abordado, geralmente, o investidor pensa em renda fixa e variável.

No entanto, ela também pode estar relacionada à possibilidade de aplicar seu dinheiro no Brasil e também no exterior. Ao investir na NYSE ou na NASDAQ, por exemplo, você compra ações das maiores empresas do mundo e obtém sua remuneração em dólar.

Essa é, inclusive, uma forma de hedge, ou seja, de proteção do investimento. Afinal, a moeda norte-americana é a referência das operações internacionais e, historicamente, tem viés de alta em comparação com o real.

Além de conhecer as possibilidades, ainda é preciso seguir algumas dicas. Veja quais são elas.

Entenda seu ciclo financeiro

Quem investe pode acumular, rentabilizar ou preservar seu capital. No primeiro caso, você ainda não tem capital. No segundo, já tem dinheiro investido, mas sua fonte de renda principal é o trabalho. No terceiro, o objetivo é evitar perdas.

Conheça seu perfil de investidor

Todo investidor tem um perfil, que pode ser conservador, moderado ou arrojado. Entender qual é o seu ajuda a definir a melhor alocação de ativos para sua carteira.

Defina em quais classes de ativos vai investir

Existem várias modalidades disponíveis. Entre eles estão renda fixa, renda variável, fundo imobiliário, fundo cambial, previdência, fundo multimercado e mais. Ainda existe a possibilidade de investir no exterior.

Determine a proporção de cada classe

Veja quanto vai aplicar em cada ativo. Para isso, analise diversos fatores, como taxa de juros, inflação, expectativas econômicas e mais.

Reequilibre a carteira, se necessário

Acompanhe os resultados obtidos e faça o rebalanceamento periódico. A ideia é adequar a aplicação dos ativos de acordo com o cenário atual para melhorar o retorno da diversificação dos investimentos.

Qual é a importância do conceito para cada perfil de investidor?

Além de todas as dicas sinalizadas, é importante analisar o seu perfil de investidor. Como dissemos, existem 3 possibilidades:

  1. Conservador: é aquele que prioriza a segurança, mesmo que isso implique um ganho menor;
  2. Moderado: prefere correr um pouco mais de riscos, desde que o potencial de retorno seja significativo;
  3. Arrojado: é aquele que opta por correr mais riscos com o objetivo de aumentar os ganhos. A segurança não é tão importante.

Entender o seu perfil ajuda a alocar o capital nos ativos mais adequados. Com isso, a diversificação de investimentos se torna mais relevante.

Mais do que isso, você descobre se é uma alternativa viável aplicar seu dinheiro no exterior. Nesse caso, é preciso contar com a Remessa Online.

A plataforma de transferências internacionais favorece o envio e o recebimento de dinheiro em 1 dia útil e pelo custo até 8x mais econômico (a partir de 1,3%). Outro fator positivo é a taxa de câmbio comercial. 

Assim, você investe no exterior e protege seu capital. Da mesma forma, potencializa o seu retorno, porque o ganho é em dólar. Assim, é possível alcançar a diversificação de investimentos e seguir a dica mais importante do mercado financeiro.

E você, achou interessante e quer saber mais sobre as aplicações financeiras no exterior? Confira 5 formas de investir nos EUA e aproveite as possibilidades.

Resumindo

Qual a importância da diversificação de investimentos?

Essa é a melhor estratégia para diminuir os riscos e potencializar os ganhos.

Como diversificar a carteira de investimentos?

É preciso considerar vários fatores, como perfil do investidor, situação econômica atual e ciclo financeiro.

Qual a melhor carteira de investimentos?

Não existe uma resposta única, porque depende das suas condições.

Assuntos relacionados