7 dicas para não passar aperto ao viver no exterior

Viver no exterior é uma experiência rica e agregadora em todos os sentidos. Ao mesmo tempo que causa euforia e

Dicas para não passar aperto ao viver no exterior

Viver no exterior é uma experiência rica e agregadora em todos os sentidos. Ao mesmo tempo que causa euforia e ansiedade deve também despertar preocupação, pois, não é fácil se estabelecer em outro país, com cultura, idioma e moeda tão diferentes — por isso, o planejamento é tão importante!

Para quem deseja viver no exterior essa é uma experiência enriquecedora que pode ser motivada pelo desejo de trabalhar, estudar e aprender um novo idioma ou simplesmente ter contato com outras culturas e hábitos.

Diante de qualquer um desses objetivos, o viajante precisará de uma quantia em dinheiro para custeio de despesas com hospedagem, alimentação, transporte e algumas compras. É fundamental planejar a nova vida sem passar aperto vivendo longe de casa.

Neste conteúdo vamos ajudar você a se organizar para não enfrentar problemas vivendo no exterior. O aperto pode resultar em um retorno antes do previsto, e nossa missão é auxiliar com 3 dicas importantes de como lidar com as finanças fora do país!

Viver no exterior é uma experiência que exige planejamento

São cerca de 190 países distribuídos em quatro continentes, o que justifica o fato de muitos acharem que nascer e morrer no mesmo lugar seria um desperdício. É claro que alguns países não são os destinos mais favoráveis, mas existe uma infinidade de lugares onde é possível estabelecer uma nova morada.

Em alguns países a moeda tem baixo valor se comparado ao Real no Brasil, mas em outros, a conversão é arrasadora, o que exige um planejamento bem elaborado para juntar o montante suficiente, pelo menos, para os primeiros meses em solo estrangeiro.

Não é raro vermos alguns viajantes retornarem a seu país de origem, por não terem como arcar com as despesas de permanência.

Essa deve ser a última alternativa, mas para isso, quem deseja passar uma temporada longa em outro país, deve se preparar com um plano A, B ou até C.

Todo país tem regras e normas próprias para os tipos de vistos e permissões de permanência. Em algumas nações você pode estudar, em outras, estudar e trabalhar e existem também aquelas em que você pode, inclusive, receber uma proposta para trabalhar, normal e legalmente.

Em cada uma dessas situações a sua realidade financeira será diferente. Para garantir que tudo ocorra de forma harmoniosa, o ideal é planejar com antecedência, avaliar os prós e contras, sempre considerando os vieses do destino.

7 dicas incríveis para evitar o aperto e viver bem no exterior

Já dissemos que o planejamento é a chave do sucesso — para a carreira, vida ou quem deseja viver no exterior — pois é dentro dele que se faz os apontamentos de todas as variáveis e condicionantes relacionadas às metas e objetivos.

De certa forma, viver no exterior é um negócio em que você precisa investir tempo e dinheiro para fazer dar certo. Ao decidir morar fora do país, é preciso pensar na realidade da outra nação, mas não se esqueça da moeda e das condições para conversão.

Elaboramos as dicas a seguir, como uma espécie de roteiro que você deve seguir depois que o planejamento estiver pronto ou até mesmo em terras estrangeiras, e assim ter uma adaptação mais fácil, evitar possíveis choques culturais e não passar situações desagradáveis.

1. Faça uma planilha de gastos

Relacione todas as despesas que terá no seu novo país de residência
Relacione todas as despesas que terá no seu novo país de residência

Relacione todas as despesas que terá no seu novo país de residência. Você já sabe quanto você vai gastar com aluguel, alimentação e transporte? Em alguns países os imóveis são mobiliados, com serviços de lavanderia, gás, energia elétrica e água, inclusos no valor do aluguel.

Em outros, você terá despesas com mobílias e cobrança separada das contas concessionárias. Dependendo do destino e da moeda local, seus gastos podem ser bem mais altos ou bem mais baixo do que está acostumado no Brasil.

A velha e boa planilha é fiel escudeira nessa hora.

Nela você deve relacionar todas as despesas, mesmo aquelas mínimas, e comparar com qualquer receita que tenha disponível — encare o sonho como um investimento de médio e longo tempo.

Ao chegar ao destino, você terá real dimensão do que pode ou não gastar e se preocupar menos com as despesas. Deixe as dificuldades de adaptação para as diferenças de clima, idioma e cultura, por exemplo.

2. Tenha cuidado com cartões de crédito

Ao cuidado com o rotativo do cartão de crédito deve-se somar o cuidado com a variação cambial no exterior
O cuidado com o rotativo do cartão de crédito deve-se somar ao cuidado com a variação cambial no exterior

Tome cuidado com o rotativo do cartão de crédito, pois ele considera a variação cambial no exterior. Isso pode tornar as compras substancialmente mais caras e comprometer todo o planejamento financeiro.

Não se engane! Se você utilizar demasiadamente o cartão de crédito no exterior, será surpreendido negativamente quando receber a cobrança. Tudo bem que pode ser um modo prático e oportuno, já que você não terá que fazer um desembolso imediato.

As taxas incidentes em cada compra, o IOF (imposto sobre operações financeiras), os juros e tarifas bancárias são despesas que devem ser conhecidas e analisadas previamente.

Saiba que as operadoras de cartão de crédito se baseiam na cotação do câmbio comercial, mas que dependendo do banco, todas as suas transações serão oneradas por taxas adicionais conforme variação da cotação oficial do Banco Central.

3. Tenha sempre uma reserva financeira

É essencial ter recursos monetários para se manter nos primeiros meses, mesmo que um emprego esteja engatilhado ou uma fonte de renda se apresente no radar. Conte, efetivamente, com uma reserva financeira.

Depois de montar o planejamento, criar e alimentar a planilha, será hora de contabilizar todo o dinheiro que será necessário para iniciar a nova jornada. As despesas fixas não darão trégua e para construir um bom histórico de crédito no novo país, você terá que agir corretamente.

viver no exterior

Se tiver uma fonte de renda no Brasil será uma boa estratégia, pois você pode inclusive abrir uma conta internacional e viver no exterior tranquilamente, realizando transferências online em diversos períodos.

4. Fique atento ao tipo de visto

Entrar legalmente em um país é a melhor forma para ter tranquilidade e liberdade de circular nas ruas sem se preocupar em ser pego e deportado. Portanto, um dos primeiros passos do planejamento para viver no exterior, é tirar o visto de acordo com seu objetivo.

Cada país tem suas particularidades e requisitos para os tipos de visto, e é essencial saber como funciona o processo no destino que definir e começar tudo com bastante antecedência.

Escolher o tipo de visto ideal para sua viagem é muito importante, por exemplo, se você for estudar, deve pensar como se manter financeiramente durante o curso, pois dificilmente terá tempo e permissão para trabalhar, embora alguns países permitem que pessoas trabalhem em períodos reduzidos com o visto de estudante.

Se sua intenção é trabalhar no exterior, deve se preparar, pois provavelmente vai levar um tempo até conseguir um emprego, caso não saia do Brasil com uma vaga encaminhada. O importante é ter uma estratégia eficiente, tanto financeiramente, quanto em relação à documentação e vistos.

5. Tente conseguir um emprego

Conseguir um trabalho é viável para ajudar a se manter no exterior, além de contribuir para a fluência no idioma e fazer novos contatos. É um passo grande para se estabilizar em um novo país com culturas e costumes diferentes do que está acostumado.

Evidentemente, conseguir um trabalho não será tão fácil, a menos que conheça alguém que possa fazer uma indicação. Por isso, é essencial estudar e pesquisar, como é o mercado de trabalho no país que deseja residir.

Fique por dentro dos requisitos profissionais do país, áreas que oferecem mais oportunidades e se você tem alguma formação, procure validar seu diploma e tentar algo na sua área, pois, trabalhar no exterior é um grande diferencial para o currículo.

O segredo para viver melhor e não passar aperto fora do país é conseguir um trabalho. Assim fica mais fácil se manter financeiramente e sua adaptação será mais fácil e tranquila.  

6. Pense na possibilidade de fazer um intercâmbio

Uma opção que está ganhando a preferência de quem pretende se mudar para o exterior é o intercâmbio, que possibilita a pessoa a oportunidade de estudar e ter maior contato com as pessoas nativas, além de que, em algumas situações, permite que o estudante trabalhe por um período. Os benefícios do intercâmbio são:

  • aperfeiçoar o idioma;
  • valorização do currículo;
  • valorização das qualificações acadêmicas;
  • planejamento do futuro;
  • imersão cultural no país;
  • aumento da independência;
  • proporcionar o networking. 

Existem muitos tipos de intercâmbio para escolher, o que mais combina com a sua situação, seja financeira ou pretensões no país. Veja as opções de intercâmbio para morar no exterior.

  • intercâmbio de idiomas;
  • intercâmbio de ensino médio;
  • intercâmbio com trabalho voluntário;
  • intercâmbio para ensino superior;
  • intercâmbio au pair;
  • intercâmbio de idiomas com atividades adicionais.

Com certeza o intercâmbio é uma excelente opção para viver no exterior e não passar apertos, além de proporcionar vantagens incríveis. Uma forma eficiente para se adaptar e evitar choques culturais.

7. Esteja preparado para enfrentar preconceitos

Um dos grandes problemas que imigrantes enfrentam no exterior, é o preconceito, que infelizmente, em pleno século XXI ainda acontece em muitos países, onde a discriminação por causa da nacionalidade de uma pessoa pode ser acentuada em algumas regiões.

Apesar de alguns países estabelecerem políticas para integração de imigrantes, que muitas vezes são bem aplicadas, não exclui a possibilidade de ser discriminado no dia a dia no país, pois as pessoas têm seus valores e pensamentos que podem divergir no correto.

Esteja psicologicamente preparado para situações constrangedoras, pois elas certamente vão acontecer. Nesse momento, é importante ter paciência e resiliência para ignorar comentários desagradáveis, e não reagir da mesma maneira.

Lembre-se que você está e um país com uma cultura diferente, não é uma boa ideia ter problemas com as autoridades. O foco deve ser seus objetivos pessoais, nem todos são preconceituosos com imigrantes, é possível encontrar pessoas amigáveis. 

Transações internacionais Remessa Online

Se você vai morar no exterior, é inevitável não manter contato com o Brasil, principalmente em questões financeiras. Por isso é imprescindível saber como fazer transações internacionais.

O planejamento financeiro de quem vai morar fora do país deve ser impecável, para evitar passar apertos e situações desagradáveis. Pagar taxas mais baixas para enviar e receber dinheiro contribui muito para esse objetivo.

Mesmo que esse não seja o cenário da sua vida e você precise de uma ajuda da família que ficou no país, por meio da Remessa Online, sua conta receberá o dinheiro de um jeito rápido e descomplicado.

A Remessa Online é uma plataforma independente que atua 100% online, realizando transferências internacionais de forma simples, desburocratizada e até 8 vezes mais barata que um banco.

Credenciada pelo Banco Central do Brasil, as operações realizadas na plataforma digital Remessa Online são totalmente seguras e você pode fazer movimentações financeiras e pagamentos internacionais em mais de 100 país.

Com uma taxa de IOF de 0,38% e spread fixo de 1,3% a Remessa Online é a melhor solução para quem vai sair do país e precisa enviar dinheiro ou fazer transferências frequentes para viver no exterior, com segurança e as melhores condições do mercado financeiro.

Para ter todos esses benefícios nas transações internacionais, basta fazer um cadastro rápido e simples no site da Remessa Online. Em poucos minutos estará tudo pronto para fazer movimentações financeiras de forma rápida, livre de burocracias e sem taxas abusivas. 

Morar no exterior é sem dúvidas uma das experiências mais gratificantes para uma pessoa, pois possibilita inúmeros benefícios, tanto para a carreira profissional, pessoal e acadêmica, portanto, é um ótimo investimento para evoluir cada vez mais.

Agora que já viu dicas importantes para não passar apertos no exterior, será mais fácil se adaptar em uma nova vida, não é mesmo? Lembre-se que o planejamento prévio é essencial para garantir que tenha tranquilidade e segurança.

Se você gostou deste post e deseja ver mais informações para compor um planejamento de viagem perfeito, que proporcione momentos inesquecíveis, leia o post sobre os 10 melhores países para trabalhar e morar no exterior, e saiba de tudo para dar mais um passo, rumo ao sucesso!

Resumindo

Quantos brasileiros estão no exterior?

2,5 milhões, de acordo com a estimativa do Ministério das Relações Exteriores.

O que fazer para morar em outro país?

Organize-se financeiramente e tenha em mãos toda a documentação solicitada pelo governo do país desejado.

Quais os países que mais recebem brasileiros?

1. Estados Unidos
2. Paraguai
3. Japão

Por que viver no exterior?

Nem todo mundo tem a disposição e a ousadia de atravessar fronteiras para viver em outro país. A experiência é única, mas requer do viajante uma capacidade ímpar de lidar com as adversidades e com a saudade arrebatadora dos amigos e familiares. Ao final, a bagagem estará sempre repleta de boas memórias.

Como fazer uma reserva financeira para viver no exterior?

Comece planejando, pois o planejamento é onde habita o segredo dos bem-sucedidos. Quando decidir que é a hora de alçar novos voos e aportar em uma nação diferente, de início à preparação com pelo menos um ano e antecedência.
Esse é o prazo mínimo que você precisa para dimensionar uma mudança como essa e reunir recursos para custear as despesas dos primeiros meses. Considere e analise todas as possibilidades para identificar a que melhor se aplica ao seu projeto com as menores tarifas.