Plano de exportação: saiba como fazer e prepare-se para o comércio exterior!

por Remessa Online
3 minutos de leitura
Plano de exportação

Atuar no mercado internacional com a exportação de produtos ou serviços é uma ótima alternativa para expandir o negócio e aumentar as oportunidades. Contudo, é preciso ter atenção aos requisitos legais e ter um bom planejamento para ter sucesso ao investir nessa expansão.

Aqui, um dos pontos fundamentais é montar um bom plano de exportação. Muitas empresas não conhecem essa ferramenta ou não compreendem como utilizá-la. Neste conteúdo, esclarecemos as principais dúvidas sobre o assunto. Acompanhe!

O que é plano de exportação?

O plano de exportação aborda todo o planejamento em relação à estrutura e práticas que precisam ser adotados para exportar produtos. Dessa maneira, ele funciona como um mapeamento estratégico que descreve cada etapa necessária durante o processo.

É a partir disso que a empresa conseguirá identificar todas as medidas que devem ser adotados para regularizar as negociações com o exterior, conseguir captar clientes e garantir que as entregas aconteçam da melhor forma, sempre seguindo o contrato.

Qual a importância do plano de exportação?

Essa estratégia é essencial para que a empresa consiga se organizar da melhor forma, garantindo a regularidade do negócio e uma boa logística para as exportações. Ademais, o plano permite que a empresa entenda como está o seu posicionamento no mercado exterior, identificar riscos e criar alternativas para lidar com os possíveis problemas.

Ou seja, essa ferramenta ajuda na tomada de decisão e na estruturação do negócio frente ao mercado internacional. Tudo isso aumenta as chances de sucesso do investimento e torna a empresa mais competitiva, já que todo o planejamento traz informações sobre clientes, concorrência e potencial do produto.

Quais os requisitos básicos para exportar?

Para começar, faça um estudo de viabilidade da exportação, que deve considerar o público-alvo, entendendo os costumes e hábitos da população do país, além de entender todo o mercado e a concorrência. Também é preciso ter atenção a algumas questões técnicas:

  • A empresa deve ter o Registro de Exportadores e Importadores (REI). Ele é feito de forma automática na primeira exportação;
  • As operações devem ser processadas no  Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX);
  • A exportadora precisa organizar todos os documentos pré e pós-embarque.

Isso tudo envolve questões burocráticas, então, diante de dúvidas, vale a pena procurar suporte profissional para ajudar na regularização de todos os detalhes para entrar no mercado exterior. Outro requisito essencial é ter um bom plano de exportação, que vamos explicar como fazer no próximo tópico.

Como fazer um plano de exportação?

O plano de exportação não tem um modelo específico que precise ser observado. Na verdade, o importante é que ele aborde todos os aspectos necessários para que a empresa consiga identificar as oportunidades, os pontos fortes, as fraquezas e consiga identificar soluções para ter sucesso ao exportar.

Em razão disso, existem 3 aspectos principais que precisam ser abordados nesse planejamento. Entenda a seguir!

Planejamento fiscal

A exportação exige atenção às regras tributárias e regulamentações aplicáveis aos negócios, para evitar irregularidades que podem resultar na apreensão de produtos, aplicação de multas e outras penalidades.

Entretanto, não basta conhecer a legislação brasileira: é imprescindível que a empresa estude as normas dos países destino para se adequar. Isso não se limita apenas aos tributos.

Cada país conta com normas técnicas e definição de níveis de qualidade que precisam ser atendidos pelos produtos comercializados no local. Dessa maneira, é essencial entender todos os detalhes para conseguir atender aos requisitos exigidos.

Planejamento operacional

Aqui, é necessário avaliar os recursos da empresa para determinar se eles são suficientes para absorver a produção para o exterior ou se é preciso fazer alterações. Pode ser necessário adquirir novos equipamentos, readequar os processos internos ou substituir matérias-primas para atender aos padrões de qualidade exigidos pelo país destino.

Além disso, o planejamento operacional também aborda a logística. Essa é uma etapa essencial do plano de exportação, especialmente em relação ao envio dos produtos para o exterior. Nesse caso, é preciso avaliar questões relevantes como:

  • Forma de transporte, avaliando as alternativas, custos e prazo;
  • Entrega em solo internacional, considerando a terceirização de empresas ou abertura de escritórios;
  • Embalagens para os produtos, que precisam manter os produtos seguros e íntegros durante todo o transporte.

Problemas relacionados à entrega, como atrasos, extravios e danos à mercadoria atrapalham o negócio, trazendo prejuízos financeiros, além de afastar os clientes. Em alguns casos, os problemas logísticos podem resultar em contratos cancelados e propaganda negativa, com grandes impactos nas oportunidades da empresa.

Planejamento de marketing e vendas

Depois de entender todas as questões técnicas e burocráticas, fazendo as adequações necessárias, é preciso pensar nas questões relacionadas ao marketing e às vendas.

Após a decisão de expandir para o mercado exterior, o primeiro obstáculo costuma ser a busca por clientes. Isso é solucionado com uma boa estratégia de marketing, criando campanhas atrativas para que o público conheça os seus produtos e diferenciais, despertando o interesse na compra.

Outro ponto importante é pensar nas estratégias de vendas, que envolvem a abordagem do cliente e técnicas de negociação. Nesse caso, é essencial ter uma equipe preparada para fazer os atendimentos com qualidade e na língua do país destino. O suporte pós-venda é uma questão essencial, já que isso ajuda na fidelização dos clientes.

Portanto, o plano de exportação precisa detalhar todas essas questões para colocar as melhores estratégias em prática.

Como garantir melhores condições ao receber o pagamento?

Como será o pagamento feito pelos clientes? Essa questão faz parte do planejamento de vendas, mas é essencial ter atenção aos gastos envolvidos para encontrar as opções com o melhor custo-benefício. As taxas envolvidas nas transações internacionais podem impactar as negociações, então vale a pena pesquisar as alternativas.

Uma dica importante nesse momento é contar com a Remessa Online. A plataforma permite receber dinheiro do exterior com as melhores taxas e utilizando o câmbio comercial. A empresa terá acesso ao valor em até 2 dias úteis após o pagamento, garantindo toda a agilidade necessária. 

Se for preciso enviar valores, também é possível e, nesse caso, o prazo é ainda menor: o valor é disponibilizado ao destinatário em até 1 dia útil. Os custos são baixos, veja só:

  • Custo administrativo até 8x mais econômico, comparado as taxas praticadas pelos bancos tradicionais;
  • Tarifa bancária que pode ser zerada, dependendo da moeda e do valor;
  • Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 0,38%.
Novidades: novas regras sobre spread e tarifa bancária para PJ

Pronto! Depois de conhecer o plano de exportação e aprender como elaborá-lo, esperamos que a sua empresa consiga se desenvolver para começar a exportar e ter sucesso no mercado internacional.

Se você quer saber mais sobre a plataforma da Remessa Online e como ela pode ajudar nos pagamentos, acesse o nosso site!

Resumindo

O que é o plano de exportação e sua importância?

O plano de exportação abrange toda a estratégia que deve ser implementada para comercializar produtos no exterior, avaliando as etapas necessárias e maneiras de cumpri-las.

Como montar um plano de exportação?

O plano consiste em avaliar todas as estratégias necessárias. Para facilitar, ele pode ser dividido em diferentes etapas de planejamento.

São elas:
Fiscal, abordando tributos e regulamentações existentes;
Operacional, que avalia os recursos da empresa e a logística envolvida;
Marketing e vendas, para atrair clientes e fechar negócios.

Assuntos relacionados